Moradores de flutuantes no Tarumã-Açu, em Manaus, podem perder residências após retomada de decisão judicial

Em 2004, quando haviam 74 casas flutuantes no rio, a Justiça do Amazonas determinou a retirada das habitações devido ao risco de danos ambientais. No entanto, a decisão só passou a ser executada neste ano, quando já existem 900 estruturas no local, sendo que, agora, a maioria delas é utilizada para lazer, turismo e restaurantes.

Deputado afirma a fazendeiros ter conseguido revisão dos limites da TI Uru-Eu-Wau-Wau, em Rondônia

Durante evento com produtores rurais do estado, o deputado Lúcio Mosquini (MDB-RO) prometeu que órgãos do governo federal vão alterar limites geográficos da demarcação nos ‘próximos dias’. Medida visa beneficiar, principalmente, criadores de gado, que têm propriedades sobrepostas ao território indígena. Funai confirma pedido do Incra para avaliar possíveis erros de marcos físicos.

Consumo de carne de quelônios é parte da cultura amazonense, mas caça predatória é maior ameaça

Quelônios, que incluem tartarugas, cágados e jabutis, fazem parte da alimentação da população desde que os colonizadores chegaram ao rio Amazonas. A carne foi incorporada à mesa, principalmente, das comunidades ribeirinhas e tradicionais. No entanto, fiscalização fragilizada no interior do estado e caça predatória ameaçam as espécies e a biodiversidade amazônica.

Incra do Amapá vai rever projeto de manejo articulado por Alcolumbre em assentamento extrativista

Atual superintendente do órgão agrário confirma à InfoAmazonia que projeto madeireiro no Assentamento Agroextrativista Maracá ‘tinha pareceres contrários da área técnica que não foram observados pela antiga gestão’, e promete revisão da aprovação e da operação do manejo, que deve ser administrado de forma comunitária com sustentabilidade ambiental.

Exploração madeireira articulada por Alcolumbre no Amapá viola direito de extrativistas e beneficia empresas

Manejo florestal no Assentamento Agroextrativista (PAE) Maracá deveria ser comunitário e sustentável, mas teve gestão dominada pela madeireira TW Forest, que opera extração por meio de outras duas empresas. Técnicos do Incra e do órgão ambiental do estado alertaram sobre caráter empresarial e riscos socioambientais, mas projeto foi aprovado após assinatura de superintendente ligado a Davi Alcolumbre (União Brasil-AP).