Corpos Yanomami aguardam identificação há mais de um ano no IML de Roraima

Sem a identificação oficial, corpos não podem ser devolvidos para as suas famílias. Funai é responsável por ir atrás das comunidades para descobrir a identidade dos mortos, mas afirma enfrentar dificuldades para chegar até os possíveis parentes; IML de Roraima fala em superlotação de corpos indígenas na unidade e é barrado de fazer enterros sem a documentação dos óbitos.

Fazendeiros justificam invasões a terras indígenas com marco temporal aprovado pelo Congresso

Áudios de WhatsApp mostram fazendeiros de Rondônia defendendo a ocupação da Terra Indígena Sagarana após aprovação da lei 17.701/2023, do marco temporal. Apesar de considerada inconstitucional pelo STF no ano passado, a tese foi aprovada e sancionada pelo parlamento. Lideranças indígenas afirmam que a decisão do Congresso é culpada por novas invasões violentas realizadas nos territórios em 2024.

Funai recua em novos pedidos de demarcação após aprovação do marco temporal

A informação é da presidente da Funai, Joenia Wapichana, compartilhada durante assembleia geral na Terra Indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, em 7 de janeiro. A Lei nº 14.701/2023, que aprovou a tese do marco temporal, entre outras medidas, foi promulgada pelo Congresso Nacional em 28 de dezembro de 2023. Wapichana aguarda retorno de ação enviada ao Supremo Tribunal Federal (STF), que pede a derrubada da decisão.

Discurso de ódio mira ativistas climáticos e defensores da Amazônia nas redes

Estudo da coalizão Climate Action Against Disinformation encontrou mais de 65 mil postagens apenas no antigo Twitter, com linguagem empregada para distorcer os discursos pró-meio ambiente, além de 34 mil posts com mensagens ofensivas a pessoas ou ações a favor do meio ambiente. Na Amazônia, o discurso de ódio contra ativistas e lideranças segue padrão semelhante, segundo monitoramento do Mentira Tem Preço.

O silêncio da petroleira franco-britânica Perenco diante dos danos ambientais causados na Amazônia peruana

A multinacional Perenco afirma adotar práticas sustentáveis em todo o mundo, omitindo que na Amazônia peruana já acumula 58 infrações ambientais que afetam os ecossistemas e seus habitantes, como mostra a investigação da InfoAmazonia e seus parceiros internacionais. As comunidades indígenas localizadas na área de influência direta e indireta do bloco petrolífero 67, no departamento de Loreto, desconheciam que a empresa havia recebido sanções ambientais até o contato com nossa reportagem.

Indígenas têm maior participação de todas as COPs, e agora querem estar nas mesas de negociação

A InfoAmazonia falou com ativistas e lideranças para entender como foi a participação dos povos indígenas na COP28. Representantes avaliam como positiva a escolha de Sonia Guajajara para chefiar a delegação brasileira, mas agora querem mais espaço para realmente decidir sobre o futuro do planeta, a emergência do clima e, claro, seus próprios territórios.