Não tínhamos médicos, enfermeiros, enfermeiras para cuidar de nossa saúde. Mas estávamos acompanhados no dia a dia por nossos avós sábios que faziam suas cerimônias de proteção

Não tínhamos médicos, enfermeiros, enfermeiras para cuidar de nossa saúde. Mas estávamos acompanhados no dia a dia por nossos avós sábios que faziam suas cerimônias de proteção

por Justino Sarmento Rezende

Eu nasci distante da cidade, Onça-igarapé.

O meu pai ao ouvir dizer que estava aproximando uma doença forte nos levava para um lugar mais isolado, ainda.
Lá passávamos o tempo necessário para que chegasse até nós outra notícia: já passou a doença.

Não tínhamos médicos, enfermeiros, enfermeiras para cuidar de nossa saúde. Mas estávamos acompanhados no dia a dia por nossos avós sábios que faziam suas cerimônias de proteção utilizando o breu branco que servia para defumação do ambiente, das pessoas e outros seres de estimação.

Diariamente o grupo de sábios fumando os seus cigarros conversavam sobre o que tinham visto em seus sonhos, que fórmula de proteção havia criado em sua meditação noturna, cada sábio apresentava alguma solução.

Com os seus sensos apurados desviavam a rota das doenças para não chegarem até nós. Com as forças cerimoniais inutilizavam a agressividade dos seres das doenças.

Imaginando que eles tivessem dentes quebravam seus dentes para não nos morderem para transmitir as doenças.

Imaginando que poderiam transmitir a doença lambendo-nos arrancavam suas línguas.

Imaginando que poderiam transmitir a doença pelo olhar, eles cegavam os olhos dos seres das doenças.

Por outra parte transformavam o ser humano, o ambiente e os seres de estimação, em corpos resistentes, incandescentes, explosivos, que deem choques; tranformavam nossos corpos em corpos quentes, amargos, travosos, azedos e duros.

Criavam cercas com os mesmos efeitos para a nossa proteção. Guardavam nossas vidas dentro das luzes do sol, nas nuvens…

O tempo atual com os seus vírus atuais, com nomes próprios me faz voltar ao passado e relembrar as sabedorias de meus avós que ajudavam a defender a vida.

Me fez lembrar das técnicas de defesa: fugir do inimigo, não se expor, mas retirar-se no lugar considerado seguro até a doença passar.

Justino Sarmento RezendeÉ indígena do povo Tuyuka. nascido na aldeia Onça-Igarapé, distrito de Pari-Cachoeira, município de São Gabriel da Cachoeira/AM. Possui graduação em Filosofia pela Universidade Católica de Brasília (1995), graduação em Teologia pela Pontifícia Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção (1993) e mestrado em Educação pela Universidade Católica Dom Bosco (2007). Doutorando em Antropologia Social, no PPGAS/UFAM (Manaus) Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em Filosofia, atuando principalmente no seguinte tema: identidades, estereótipos, diferenças.

Ainda não há comentários. Deixe um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.