Considerando seu passado centrado no petróleo e se preparando para o futuro, especialistas dizem que a região de Loreto enfrenta várias tarefas monumentais como a mudança de matriz energética e a substituição das receitas vindas do petróleo (última reportagem de uma série de três)

Quando os prospectores encontraram petróleo perto do Rio Corrientes, no nordeste do Peru, em 1971, funcionários do governo prometeram que a nova indústria traria desenvolvimento para a região amazônica de Loreto.

A indústria do petróleo estimulou o crescimento de Iquitos, a capital regional e a maior cidade amazônica do Peru, que definhou após o boom do petróleo no início do século 20. Meio século depois, no entanto, há relativamente pouco a mostrar da receita – conhecida como cânone – resultante da produção de petróleo na região.

Loreto está atrás no país em assistência médica e educação, apenas metade dos moradores da região está conectada aos sistemas municipais de água e as comunidades indígenas nos campos de petróleo sofrem com a exposição contínua aos contaminantes de mais de 1.000 locais poluídos registrados.

A produção de petróleo tem diminuído constantemente desde a década de 1980 – a produção do Bloco 192 atingiu o pico em 1982 com 120.000 barris por dia – e a maioria dos poços produz hoje mais água que petróleo. Embora os executivos da Petroperú, a companhia nacional de petróleo, insistam que vão reviver o Bloco 192, algumas pessoas estão começando a olhar para uma era pós-petróleo para Loreto.

Cedo ou tarde o petróleo vai acabar. Cedo ou tarde, esse cânone, que está em declínio, vai acabar. E o que vai acontecer?

Alberto Ríos, engenheiro elétrico

“Cedo ou tarde o petróleo vai acabar. Cedo ou tarde, esse cânone, que está em declínio, vai acabar. E o que vai acontecer?” disse Alberto Ríos, engenheiro elétrico peruano da Universidade Técnica de Ambato, no Equador. “Se você tem uma geração que viveu do petróleo e sabe que a próxima não terá essa renda, ao menos a prepare para que tenha outra opção, para que as pessoas possam visualizar como vão viver no futuro, sabendo que não terão petróleo.”

Um homem se encontra em meio à vegetação encharcada de óleo após um derramamento de petróleo na comunidade de San Pedro, no baixo Rio Marañón.

Considerando seu passado centrado no petróleo e se preparando para o futuro, especialistas dizem que a região enfrenta várias tarefas monumentais. Deve mudar de combustíveis fósseis para energia renovável, inclusive em Iquitos, uma cidade de aproximadamente meio milhão de pessoas, sem estrada para o litoral e sem nenhuma conexão com a rede de energia do país. Iquitos é a maior cidade da Bacia Amazônica, acessível apenas por via fluvial ou aérea.

A região também precisará encontrar formas de substituir a receita das operações petrolíferas. Embora a renda do cânone tenha diminuído ao longo do tempo, especialmente no último ano ou dois, quando os campos de petróleo foram fechados por protestos e problemas operacionais, a perda ainda deixará um buraco no orçamento que será difícil de preencher em uma região onde a maioria dos empregos é informal.

Cinquenta anos de operações petrolíferas, incluindo ao menos duas décadas sem regulamentação ambiental e ainda mais sem supervisão adequada, deixaram água, solo e sedimentos contaminados com resíduos industriais. Há uma escassez de dados sobre os impactos nos ecossistemas e na saúde humana, e especialistas dizem que seriam necessários bilhões de dólares apenas para remediar os locais até hoje identificados.

Trabalho de limpeza assustador

Atravessando um campo gramado próximo à aldeia Kichwa de Marsella, Maguín Magipo parou para cavar o chão com seu facão. Em vez de raspar a sujeira, no entanto, a ferramenta de metal tiniu em algo parecido com asfalto – os restos de petróleo bruto que foram queimados ali após um derramamento décadas atrás.

A refinaria que operava às margens do Rio Tigre na década de 1970 já se foi, mas o local continua sendo um dos mais poluídos do Bloco 192. Os equipamentos foram enterrados ali e o petróleo derramado foi reunido em buracos para ser queimado ou coberto, disse Magipo. Os esforços para reflorestar o local tiveram pouco sucesso. Minúsculas frutas pendiam dos galhos de um limoeiro irregular ao lado de uma lagoa com água estagnada, que, segundo Maguín, já foi um lago muito maior.

O local da refinaria de Marsella é um dos 32 trechos do Bloco 192 que foram avaliados para passar por remediação, sob um acordo entre o governo e quatro federações indígenas que representam as comunidades do bloco. As organizações conhecidas conjuntamente como “cuatro cuencas”, ou quatro bacias hidrográficas, pressionaram o governo por um estudo técnico independente dos locais poluídos identificados por monitores indígenas e considerados prioritários.

O Programa de Desenvolvimento da ONU coordenou o estudo do Bloco 192 em 2018 com financiamento do Ministério de Energia e Minas do Peru. O  estudo recomendou uma combinação de métodos para remediar os danos ambientais, incluindo a remoção de contaminantes e o uso de agentes biológicos, como plantas ou micróbios. Crucialmente, o relatório instava o planejamento da remediação por bacias hidrográficas, não apenas a limpeza de pontos poluídos, pois um ponto rio abaixo de outros locais contaminados poderia ficar poluído novamente.

Um estudo semelhante, realizado no Bloco 8 no final de 2021 e publicado em junho, ecoa alguns dos recomendações do relatório anterior, mas acrescenta uma advertência. Nas partes inferiores do bacias hidrográficas, em lugares como a Reserva Nacional Pacaya-Samiria, os ecossistemas de florestas inundadas, com seu fluxo de água complexo e pântanos de turfa com baixo teor de oxigênio, são tão complexos que talvez nunca possível remediar os danos causados ​​por décadas de contaminação. Nesses casos, o melhor opção será identificar as fontes de poluentes e conceber formas de limitar a exposição das pessoas para eles, disseram os especialistas.

Inicialmente, o governo reservou cerca de US$ 15 milhões para a remediação. O fundo de contingência para remediação ambiental detém hoje cerca de US$ 111 milhões, mas o estudo do Bloco 192 estima que seriam necessários ao menos US$ 300 milhões apenas para remediar 92 locais identificados naquele campo de petróleo. O estudo indica que a soma disponível até agora está muito aquém do que seria realmente  necessário para restaurar os ecossistemas poluídos nos blocos, onde monitores ambientais indígenas identificaram em torno de 2.000 locais contaminados.

Um acordo-chave foi alcançado em 2006 entre as organizações cuatro cuencas e a Pluspetrol, que operava os dois blocos petrolíferos na época. A empresa concordou em canalizar toda a água produzida — a água quente, salgada e carregada de metais bombeada dos poços com o petróleo — de volta ao subsolo. O Peru tornou isso obrigatório para todos os novos poços de petróleo, mas excluiu aqueles já em operação.

No final de 2009, a Pluspetrol estava canalizando toda água produzida de volta aos poços, mas os monitores ambientais dizem que a água salgada está sendo filtrada de alguns, incluindo ao menos um próximo à comunidade de 12 de Octubre, no Rio Tigre.

As perspectivas de limpeza, sem falar na verdadeira restauração do ecossistema, são incertas. As empresas que operam os blocos se culpam mutuamente pela poluição, embora em um acordo anunciado em 2015, a Occidental Petroleum tenha pago uma quantia não revelada a cinco comunidades Achuar pela poluição na Bacia de Corrientes.

Felix Castro, promotor ambiental do governo em Nauta, disse que o eventual fechamento dos Blocos 192 e 8 exigirá a reparação dos danos e a remoção das centenas de quilômetros de tubulações que cruzam as florestas e os rios. Também exigirá a vedação de todos os poços, incluindo alguns abandonados que estão vazando. Na aldeia de Miraflores, no Rio Marañón, os moradores reclamam que, quando o rio sobe, o óleo de um poço abandonado transborda para a superfície durante as fortes chuvas.

Tubos abandonados estão entre os resíduos remanescentes na área poluída onde ficava uma refinaria de petróleo perto da comunidade de Marsella, no Rio Tigre. O local foi designado como prioridade para remediação. (Foto de Bárbara Fraser)

Em Marsella, no Rio Tigre, Maguín Magipo limpou a vegetação ao redor de um grande tubo em um local que chamou de “chanchería” ou chiqueiro – assim nomeado por ter sido, décadas atrás, o lugar onde os trabalhadores inseriam um dispositivo chamado porco no interior do tubo para limpá-lo.

As comunidades têm uma relação complicada com os velhos tubos que cobrem seus territórios, disse a antropóloga equatoriana María Antonieta Guzmán-González, que estudou os impactos das operações petrolíferas nas comunidades ao longo do Rio Tigre.

As comunidades vigiam os tubos abandonados, às vezes vendendo metal para sucata, disse ela, e os protege de estranhos que os roubariam. Enquanto as tubulações e outras infraestruturas permanecerem em suas terras, explica, há também a esperança de que o governo acabe voltando para limpar os danos causados por permitir que a floresta tropical tenha sido tratada como uma zona industrial.

 “A infraestrutura abandonada é um artefato que permite que as pessoas forcem o Estado a assumir a responsabilidade”, disse ela.

Tornando a rede de Loreto verde

Embora muitas das comunidades no interior e ao redor dos Blocos 192 e 8 tenham eletricidade por apenas algumas horas ao dia, se é que têm, o petróleo mantém as luzes acesas em Iquitos, a capital regional. Sem acesso rodoviário a partir do litoral ou do planalto, a cidade de aproximadamente meio milhão de habitantes também não tem ligação com a rede de energia do país e obtém sua eletricidade de um gerador a diesel.

Tubos abandonados estão entre os resíduos remanescentes na área poluída onde ficava uma refinaria de petróleo perto da comunidade de Marsella, no Rio Tigre. O local foi designado como prioridade para remediação. (Foto de Bárbara Fraser)

Uma proposta de executar uma linha de transmissão de Moyobamba, uma cidade na região vizinha de San Martín, para Iquitos foi paralisada quando organizações indígenas, ambientalistas e funcionários do Ministério do Meio Ambiente se opuseram, pois cortaria ecossistemas sensíveis e incentivaria a migração de colonos à floresta.

Se Iquitos não estiver conectada à rede nacional, porém, e se a era do petróleo estiver chegando ao fim, a questão é qual será a melhor forma de mudar para energias mais verdes e renováveis ​na capital, bem como nas cidades menores e em zonas rurais da região.

Uma possibilidade é o Sol. Embora a região amazônica não receba a luz solar mais forte do país – o deserto costeiro do sul tem essa distinção –, especialistas dizem ser suficiente para abastecer residências e empresas.

Se eu tivesse de planejar o futuro de aldeias, povoados e cidades amazônicos, iria direto para a produção local e distribuída principalmente de energia solar

Paulo Nobre, pesquisador sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil

“Se eu tivesse de planejar o futuro de aldeias, povoados e cidades amazônicos, iria direto para a produção local e distribuída principalmente de energia solar”, disse Paulo Nobre, pesquisador sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil.

“O mais desafiador não é a eficiência”, acrescentou. “É você tornar cada aldeia ou cidade independente [para] não depender de petróleo ou de eletricidade chegando de outro lugar.”

Por quase duas décadas, o Ministério de Energia e Minas do Peru vem instalando painéis solares em residências em toda a Amazônia. Em Nueva Unión, no Rio Chambira, as casas sem água potável ou saneamento têm pequenos painéis solares que foram instalados em meados de 2021. Eles são suficientes para acender uma ou duas lâmpadas e carregar um telefone celular.

Ivo Salazar, que trabalhou no programa do Ministério no início dos anos 2000, defende a ligação das casas de uma comunidade em uma minirrede. Isso, disse ele, forneceria eletricidade suficiente para alimentar aparelhos ou outros equipamentos – freezers para pescadores, por exemplo – permitindo que as famílias gerenciem pequenos negócios.

Salazar, que hoje trabalha para Soluções Práticas, uma organização sem fins lucrativos, cujo projeto-piloto é a instalação de energia solar em escolas nas regiões do Amazonas e Puno, no Peru, observa que a preocupação com a energia em Loreto vai além do estabelecimento de uma fonte renovável. Aumentar a eficiência do uso de energia em Iquitos e melhorar o transporte na cidade também são cruciais, disse ele.

À noite, um brilho suave mostra quais famílias em Nueva Unión instalaram painéis solares e baterias domésticas. Os sistemas geram eletricidade suficiente para alimentar uma ou duas lâmpadas ou carregar um telefone celular, mas não para eletrodomésticos maiores. (Foto de Ginebra Peña Gimeno)

Na mudança de combustíveis fósseis para energia solar, um passo intermediário pode ser necessário, disse Enio Pereira, pesquisador sênior do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais do Brasil, cujo foco é a transição energética.

Ele vê o “hidrogênio verde” – produzido pela divisão dos átomos de hidrogênio do oxigênio na água e, em seguida, usando o hidrogênio como combustível – como uma ponte. O processo consome energia – que deve ser de fonte renovável, como a solar, para que o hidrogênio seja considerado “verde” – e ainda é caro e pouco utilizado, mas está chamando cada vez mais a atenção, principalmente na Europa.

Outras pontes possíveis – como a queima de biomassa ou a geração de hidroeletricidade – foram sugeridas, mas têm desvantagens significativas.

Executivos da Petroperú, companhia petrolífera estatal do Peru, insistem que o petróleo será necessário por algum tempo e procuram uma empresa parceira para operar o Bloco 192.

Enquanto isso, no entanto, outra solução pode estar no horizonte. Em dezembro de 2021, a empresa francesa EDF Renewables ganhou uma concessão de 20 anos para construir e operar uma usina fotovoltaica que substituiria 40% a 50% da energia atualmente fornecida pelo gerador a diesel de Iquitos.

Executivos do escritório da empresa no Peru se recusaram a dar entrevista e a Electro Oriente, a atual fornecedora de energia, com a qual a EDF faria parceria, não respondeu aos pedidos de entrevista.

Substituindo a economia do petróleo

O petróleo não apenas mantém as luzes acesas em Iquitos. A indústria do petróleo impulsionou o crescimento da cidade na segunda metade do século 20 e colocou cerca de US$ 37 bilhões nos cofres do governo no último meio século, de acordo com o economista Roger Grandez de Iquitos, que estudou a economia do petróleo na região.

O desafio será substituir essa receita, bem como ajudar as pessoas a desenvolverem meios de subsistência decentes e sustentáveis ​​nas comunidades rurais onde as empresas petrolíferas forneceram empregos e onde outras opções econômicas são escassas.

Ginebra Peña Gimeno
As crianças de três séries compartilham um prédio escolar simples de madeira com poucos móveis e suprimentos na comunidade indígena Urarina de Nueva Unión.

Mas não há consenso sobre o modelo de desenvolvimento adequado para uma região onde a economia sempre se baseou na extração de recursos naturais – peles de animais e carne de caça selvagem, borracha, madeira, petróleo e, mais recentemente, ouro extraído por dragas ilegais, principalmente nos Rios Putumayo, Napo e Nanay. Culturas de commodities – legais, como cacau e café, assim como culturas de drogas ilícitas como a coca, o ingrediente ativo da cocaína – também fizeram incursões em Loreto nas últimas duas décadas, resultando em desmatamento.

Para o biólogo José Alvarez, que chefia o escritório biodiversidade do Ministério do Meio Ambiente, o  futuro está na bioeconomia baseada no melhor manejo da pesca e da vida selvagem para fornecer proteína suficiente a comunidades onde a desnutrição e a anemia persistem, além da colheita de frutas, fibras e outros produtos da floresta, sem cortar árvores.

Segundo Cariajano Hualinga, líder indígena kichwa observa o Rio Tigre. Foto: Bárbara Fraser

Sua visão é semelhante a uma proposta feita por um grupo de cientistas na cúpula climática da ONU em Glasgow, na Escócia, em 2021. Apelidado de “Amazon 4.0”, esse modelo também enfatiza uma economia baseada na natureza, além de colocar tecnologias modernas nas mãos das comunidades locais.

Um estudo de  Loreto realizado por pesquisadores da Universidade de Harvard concluiu que a falta de coordenação e informação são os principais obstáculos ao crescimento econômico de Loreto em setores como turismo e desenvolvimento de produtos, como vislumbra Alvarez.

Porém, a região enfrenta outros desafios econômicos. Mais de 80% da economia de Loreto é informal, de acordo com o estudo de Harvard, em comparação com cerca de 72% do país como um todo, e atividades ilegais – cultivo de drogas e tráfico de drogas, extração ilegal de madeira e, cada vez mais, dragas ilegais de ouro ao longo dos rios – se expandiram durante a pandemia de coronavírus.

Em 2021, um grupo que se autodenomina Comitê Coordenador para o Desenvolvimento de Loreto se manifestou contra o Acordo de Escazú, um tratado latino-americano que garantiria às comunidades o acesso a informações sobre questões ambientais e ajudaria a proteger as pessoas que defendem o meio ambiente e os direitos territoriais.

Mais recentemente, em comunicado também assinado pelo governador da região de Loreto, o grupo pediu para o Congresso do Peru revogar a legislação que protege os indígenas semi-nômades que vivem isolados em Loreto. O grupo alegou que separar faixas de terra florestadas para proteger povos isolados – cuja própria existência é questionada – é um obstáculo para o desenvolvimento da região, incluindo as operações de petróleo. A organização indígena regional em Loreto rejeitou veementemente essas alegações.

Enquanto isso, a Petroperú continua a promover a produção de petróleo na região e alguns líderes indígenas assumiram uma posição ambígua, dizendo que não se opõem à perfuração de petróleo, desde que não polua o meio ambiente, enquanto outros pedem uma transição longe dos combustíveis fósseis.

Um grupo que tem se mantido firme são os Wampis, que em 2015 se declarou uma Nação e formou um governo territorial autônomo. Em março de 2022, em reunião com o relator especial da ONU sobre substâncias tóxicas e direitos humanos, representantes da nação Wampis e da Federação Nacional Achuar do Peru  reiteraram sua oposição às operações petrolíferas no Bloco 64, na Bacia Hidrográfica de Pastaza.

Hoje, o bloco está nas mãos da Petroperú, mas a empresa estatal carece de financiamento para operá-lo sem um parceiro internacional. Ao menos quatro companhias internacionais de petróleo se retiraram desse bloco ao longo dos anos por causa de protestos de comunidades indígenas, e parece cada vez mais improvável encontrar um novo parceiro disposto a investir em novas explorações.

Porém, a maior parte da floresta tropical intacta do Peru está em Loreto, o que torna a região crucial para cumprir os  compromissos do Peru nos acordos climáticos internacionais, pois o desmatamento, principalmente provocados pelas mudanças do uso da terra de floresta para agricultura, é a maior fonte de emissões de gases de efeito estufa no país. Contudo, o desmatamento em Loreto aumentou 17% em 2020, em relação ao ano anterior.

Grupos internacionais, incluindo a Agência Internacional de Energia, também pediram a proibição do desenvolvimento de novos campos de petróleo e uma redução acentuada na produção para manter o aquecimento global a não mais de 1,5 ºC acima dos níveis pré-industriais.

Nosso futuro será baseado em uma bioeconomia e agroecologia

Shapion Noninga, secretário técnico do Wampis Nação

Com as recentes descobertas de petróleo no mar na Guiana e no Suriname, é improvável que o petróleo na Amazônia peruana – que é difícil de extrair e tem sido uma fonte de crescente conflito com as comunidades locais – seja atraente para os investidores externos. E o ex-ministro do Meio Ambiente Manuel Pulgar-Vidal, que hoje é chefe interino da Comissão de Crise Climática da União Internacional para a Conservação da Natureza, apontou que, se as mudanças climáticas fizerem com que a floresta amazônica se torne uma savana tropical, Loreto precisaria se preparar para um futuro ainda mais drástico.

“Nosso futuro é um sem petróleo”, disse Shapion Noninga, secretário técnico do Wampis Nação. “nosso futuro será baseado em uma bioeconomia e agroecologia.”

Algumas ideias já estão sendo testadas por comunidades indígenas amazônicas, disse ele – coisas como colher aguaje, fruto da palmeira (Mauritia flexuosa) sem derrubar a árvore, plantar e colhendo um bambu não invasivo, fazendo farinha de banana, piscicultura e peixes selvagens gestão. Essas coisas precisam ser combinadas com a educação ambiental para as crianças, ele adicionado.

Noninga gostaria de reunir cientistas com povos indígenas para discutir a possibilidades e elaborar uma proposta. Ele sonha com um plano elaborado em conjunto, por cientistas e Povos indígenas, não apenas para os wampis, e não apenas para o Peru, mas um que poderia ser abraçado por todos os povos indígenas da Amazônia.


Este projeto Mountains and Jungle foi desenvolvido com o apoio da Gordon and Betty Moore Foundation e InquireFirst

Sobre o autor

Jornalista freelancer baseada no Peru, especializada em questões ambientais, indígenas e de saúde pública na América Latina.

Ainda não há comentários. Deixe um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.