A única coisa que pousa no aeroporto de Andoas, logo de 10 dias, são os sonhos dos idosos, jovens, mães, pais, em fim, de centenas de indígenas quechuas da região de Pastaza, que recuperaram o território arrebatado pelo Estado e as petroleiras.

Ainda não há comentários. Deixe um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.