Pesquisador alerta para os fatores que podem ter influenciado a queda atual no padrão de chuvas no Sudeste, como a destruição da floresta amazônica e o aquecimento global, e cobra mudança na posição brasileira em relação a questões ambientais.

A seca e o desmatamento

O desmatamento na Amazônia e os efeitos do aquecimento global podem ter influenciado a drástica seca que atinge o Sudeste atualmente. (foto: Freeimages.com)

O desmatamento na Amazônia deve estar contribuindo de alguma forma para a atual seca que atinge o Sudeste, mas não temos dados para explicar uma queda de precipitação tão drástica somente por essa contribuição.

A ligação entre a reciclagem de água pela floresta amazônica e o transporte de vapor d’água do Norte do país para o Sudeste, nos chamados ‘rios voadores’, é bem documentada. Escrevi sobre esse tema na Ciência Hoje há uma década (‘A água de São Paulo e a floresta amazônica’, em CH 203). No entanto, a redução das chuvas no Sudeste, este ano, é muito desproporcional em relação ao aumento da área desmatada de 2013 para 2014. Algum tipo de quebra nos jatos de nível baixo – ventos que transportam vapor d’água na baixa atmosfera – poderia explicar a diferença, mas os dados existentes não permitem afirmar que isso aconteceu.

A ligação entre a reciclagem de água pela floresta amazônica e o

transporte de vapor d’água do Norte do país para o Sudeste, nos chamados

‘rios voadores’, é bem documentada

Outros fatores também podem ter influenciado a atual seca. Estamos no início do fenômeno El Niño (o aquecimento excessivo das águas do oceano Pacífico, que afeta o clima da América do Sul), mas este não mostra severidade fora do normal, capaz de explicar a seca. As águas do oceano Atlântico, diante do litoral do Sudeste, também estão mais quentes que o normal, o que deve influenciar o padrão de chuvas. Além disso, uma massa de ar estacionada sobre o estado de São Paulo inibiu a entrada de frentes frias vindas do sul do continente, que normalmente provocam condensação de vapor d’água e geram precipitação.

Apesar da incerteza sobre as causas da seca, é importante aprender as lições que essa ocorrência nos ensina. A primeira lição diz respeito ao ‘desenvolvimento’ da Amazônia: se este continuar a seguir o curso atual, com planos para a construção de rodovias, barragens e outras estruturas que contribuem para o desmatamento, e com subsídios para a destruição da floresta, em uma larga gama de políticas perversas, faltará água, sim, em São Paulo. Nesse caso, porém, a falta não estará associada apenas a uma variação de chuvas de um ano para outro: será permanente.

Desmatamento
Os planos atuais para o desenvolvimento da Amazônia, como a construção de rodovias, barragens e outras estruturas que contribuem para o desmatamento, poderão levar a uma seca permanente no Sudeste. (foto: Leonardo F. Freitas/ Flickr – CC BY-NC-SA 2.0)

Já a segunda lição está ligada aos efeitos do aquecimento global. A variabilidade climática dita ‘natural’ vem aumentando devido a esse aquecimento. Isso significa que eventos extremos do clima, como secas e inundações, serão cada vez mais severos e mais frequentes, em comparação com os padrões históricos.

Fica evidente a necessidade não apenas de adaptação às novas condições, mas também de luta contra o chamado efeito estufa

Fica evidente a necessidade não apenas de adaptação às novas condições, mas também de luta contra o chamado efeito estufa. O combate às causas das mudanças climáticas precisa ser feito de modo muito mais sério do que tudo o que se viu até agora. A posição do Brasil nessa questão continua a ser a que o país apresentou na Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, em Durban, na África do Sul, em 2011: a de que o país aceitaria uma meta de redução de emissões (de gases que contribuem para o efeito estufa), dentro da Convenção de Clima, mas somente se todos os outros países do mundo concordassem em fazer o mesmo. É uma fórmula para não assumir nenhum compromisso vinculante.

Espera-se que os eventos atuais – como a drástica seca em São Paulo – levem a uma mudança na posição brasileira em relação às mudanças climáticas: com isso, o país assumiria um papel de liderança nessa questão, em vez de adotar a estratégia de ser o último a ‘entrar no bonde’. Essa mudança estaria fortemente vinculada ao interesse nacional, porque o Brasil está entre os países que mais sofrerão se uma redução nas emissões globais não acontecer a tempo.

Philip M. Fearnside – Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa)

– Esta matéria foi originalmente publicada no Ciência Hoje e é republicada através de um acordo para compartilhar conteúdo.

There are no comments yet. Leave a comment!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.