: Hidrelétricas aumentariam desmatamento no Tapajós até 25%

Hidrelétricas aumentariam desmatamento no Tapajós até 25%

qua, 09 de dezembro de 2015

Um estudo mostra que, se as hidrelétricas previstas pelo governo federal forem construídas, o desmatamento no coração da Amazônia pode atingir 3,2 milhões de hectares.

Até 2013, a bacia do Tapajós já havia perdido 19% de sua floresta, o que equivale a mais de 15,6 milhões de hectares. Entre os cenários que o IPAM rodou para estimar o impacto da construção das dez hidrelétricas na bacia previstas no Plano Decenal de Energia 2014, a área derrubada pode atingir 2,7 milhões de hectares, no melhor cenário, e 3,2 milhões de hectares, no pior cenário até 2030.

Caso as UCs da região não existissem, o desmatamento acumulado poderia chegar a 4,6 milhões de hectares, no pior cenário, até 2030. A diferença entre os cenários revela o papel das áreas protegidas, incluindo terras indígenas, como um colchão de proteção das florestas.

“Algumas dessas hidrelétricas são planejadas em áreas altamente vulneráveis ao desmatamento, sem destinação e ainda cobertas por floresta”, afirma Ane Alencar, diretora adjunta do IPAM e autora do estudo. “Essas são áreas propensas à invasão e à grilagem. Ou seja, as hidrelétricas serviriam de gatilho para o desmatamento.”

×

Encontre a localização

Encontrar

Resultados:

Latitude:
Longitude:

Finalizar geocodificação

×

Envie um artigo

Você tem alguma notícia para compartilhar sobre a Amazônia? Contribua para este mapa enviando uma reportagem. Ajude a ampliar o entendimento do impacto global desta importante região.

Encontre localização no mapa

Encontre localização no mapa