Pesquisadores do Instituto de Ciências e Tecnologia das Águas (ICTA) e de Engenharia e Geociências (IEG) da UFOPA reunidos com a equipe do InfoAmazonia em São Paulo (foto: divulgação)

Pesquisadores do Instituto de Ciências e Tecnologia das Águas (ICTA) e de Engenharia e Geociências (IEG) da UFOPA reunidos com a equipe do InfoAmazonia em São Paulo (foto: divulgação)

A Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) ampliou e consolidou a parceria com o InfoAmazonia, que já há dois anos trabalha no monitoramento comunitário e de baixo custo da qualidade da água na região amazônica. Pesquisadores dos Instituto de Ciências e Tecnologia das Águas (ICTA) e de Engenharia e Geociências (IEG) estão se unindo aos nossos desenvolvedores para investigar aplicações do sensor Mãe d’Água em zonas rurais e urbanas de Santarém, Pará.

O sensor criado pela equipe do Rede InfoAmazonia foi implementado em caratér experimental em 18 pontos na região de Santarém em 2015 após 18 meses de pesquisa. O Mãe ‘Água é capaz de monitorar distúrbios no qualidade da água ao medir a temperatura, pH, condutividade elétrica e potencial eletroquímico do líquido armazenado em caixas da água ou poços artesianos.

O projeto de monitoramento foi um dos ganhadores do Desafio de Impacto Social Google em 2014 e propõe a formação de uma rede de cidadãos conectados a um serviço em tempo real de alertas sobre os riscos de contaminação das fontes de água potável. A plataforma piloto para visualizar a localização dos sensores poder ser acessada no site http://rede.infoamazonia.org

Reprodução do site especial do projeto Rede InfoAmazonia. Mapa com os pontos dos sensores instalados na região de Santarém

Reprodução do site especial do projeto Rede InfoAmazonia. Mapa com os pontos dos sensores instalados na região de Santarém

Em visita à sede do InfoAmazonia, os professores Urandi Jr.,, José Max Barbosa a e Israel Nunes Henrique, do ICTA apresentaram as linhas de atuação da UFOPA na área de saneamento, conservação da biodiversidade e gestão de recursos hídricos . O encontro inspirou a nova parceria. “O papel do ICTA nesse projeto será de incluir conceitos científicos e metodológicos aos processos, o sensor hoje já é de extrema valia para as comunidades onde está inserido, bem como a rede de divulgação dessas informações a nível global o que faremos é agregar formatos e métodos de operação, diagnóstico e feedbacks das informações coletadas”, afirma Urandi Jr.

De acordo com ele, hoje, já são 8 docentes e 10 discentes de diversos cursos de graduação da UFOPA trabalhando diretamente nessa parceria e a tendência é aumentar tanto o grupo de pesquisa quanto a área de abrangência da atual rede. “Acreditamos que como Universidade nosso papel é fazer com que o conhecimento científico seja popularizado e alcance efetivamente a sociedade através de ferramentas, ações, projetos e principalmente resultados e a rede InfoAmazonia possui essa característica em sua essência, o que nos deixa muito orgulhosos e cada dia mais comprometidos com essa parceria.”

A união com a academia é um passo crucial para o sucesso do Rede InfoAmazonia. Neste momento, os alertas ainda não podem ser distribuídos à população de Santarém pois ainda é necessário definir a periodicidade da calibração do equipamento e a validação dos dados obtidos, através de estudos prévios na região. “A UFOPA tem um corpo de pesquisadores dedicados aos temas que são essenciais para o entendimento da qualidade da água na região. Estamos confiantes que com esta parceria poderemos melhorar os resultados de nosso sensor e entregar informação relevante às comunidades”, pondera o coordenador do projeto pelo InfoAmazonia, VJ pixel.

A primeira atividade da aliança entre o InfoAmazonia e a UFOPA será o teste do Mãe d’Água por três meses nos laboratórios do ICTA e em testes de campo nos grupos de pesquisa envolvidos, entre eles um grupo que monitora o uso da água nas cadeias produtivas da soja e pecuária na Amazônia e um grupo que tem por objetivo diagnosticar e propor modelos de tratamento para o esgoto doméstico da região.. Com base nos resultados dos experimentos, as equipes vão trabalhar na calibração de sensores já instalados em Santarém e, alinhados com os projetos de pesquisa do instituto, definir novos povos de medição. . A expectativa é que ao aprofundar o conhecimento sobre o monitoramento ambiental de baixo custo na região de Santarém possamos ampliar as possibilidades para outras áreas e mesmo outras bacias da Amazônia.

Leia Também
InfoAmazonia faz oficinas com ribeirinhos na região do Tapajós