Postado emOpinião / Covid-19

“Esse vírus me atacou.” Uma perspectiva desana em imagens sobre o Covid-19

Eu, filho do povo Desano, com os nossos conhecimentos, recordei aquilo que o meu pai me ensinou, e então decidi expressar os meus pensamentos sobre ela através de alguns desenhos.

Quando este vírus infecta uma pessoa, dá uma sensação geral de desespero. Senti tudo isso, e fiquei pensando o que eu deveria fazer para me livrar disso, não ir para um hospital e não morrer. Decidi executar em mim o bahsese, conhecido popularmente como “benzimento”.

Texto e ilustração: Jaime Diakara
Tradução: Justino Rezende

Nos pegou, e me pegou, de surpresa, esta doença que causa falta de ar, que dificulta a respiração, causa febre alta, dor no corpo e vários outros sintomas. Segundo os “brancos” ela é causada por um vírus que teve origem nos morcegos. Na visão de nossos avós, ela é um mal provocado pelo sangue envenenado do Ser da noite de luar, que se espalha pelo mundo afora atacando as pessoas. Por isso, eu, filho do povo Desano, com os nossos conhecimentos, recordei aquilo que o meu pai me ensinou, e então decidi expressar os meus pensamentos sobre ela através de alguns desenhos.

Duhti Mahsu ye doâtise

Arĩ duhti mahsu mahsa pahti pürê dohkesã nũkãgü, diâkũ pahtipu heridapü dohkesã nũkãsimi. Tegüma ahte pehsutinũkã heâmsami, Düpoa wühake niarõ, Düpoa wühake niarõ, Düpoa wehesüstüaro Ekẽbitiro, Kapea, Üsero süerõ ühũpeharo Ehõrotiro, Eherimi bokatiro, Eheriküoro, Ba´ase üsatiro, Wadari hũpeâ wühaketiro, Pa´aga wedioro wühaketiro, Sukuã pũriro Õre sõâse wühaketiro, Yobotiro, Ühsepekuri pũrise, Wadari ühũpeharo, uhpü tunũrürõ. Ahtore, yüü pũrĩse tüoñakãti, tehgü dehro arã bükürãrẽ, wẽê bahsero yüâmito niĩ tüoña bahseñawü. Tehgü müsare ahte ñẽseta niĩsa niĩrõpea, arã pehkãsapea marĩrẽ wiose niĩ, perĩse niĩ niĩsere tüokãrẽ wionima. Bahseta basiotise tokãma.

Ficar doente
Quando este vírus infecta uma pessoa, ele provoca dores de cabeça, febre, tontura, entupimento de nariz, dores nos olhos, sabor amargo na boca, queimadura, falta de ar, dificuldade para respirar, perda do sabor da comida, queimadura nas veias, febre, aperto na barriga, dores no corpo, urina amarelada diarréia, dores nos joelhos, sensação de queimadura nas veias… uma sensação geral de desespero. Senti tudo isso, e fiquei pensando o que eu deveria fazer para me livrar disso, não ir para um hospital e não morrer. Decidi executar em mim o bahsese, conhecido popularmente como “benzimento”.

Bahseriko ahpose

Arĩ duhtibüküre duhtirã. Ahte niĩsa mũkũse pũrĩ, miĩsĩda mũkũrĩda, ahte mukóse ohtese, nũkũkãse, diakoekãse, atere merã bahseriko wehê bahsese merã puhtisã bahpati bükürã, wẽẽ. Ahteta pehkakoporã yohô herisãpeodiô nũkõ, ahpeturikãrõ merã herisãpeodiose wehse niĩmisata niĩ tüôñawü.
Tehgü bahseriko weê yüübase ahtirota niĩse buârosa niĩwĩ yüü pahkü Diakuru, míĩ niĩgüma yĩĩbasi weñawü. Tehgü arĩ duhti mahsü, meõniĩgũ mehta niĩtüsami. Apherã niĩsama heõmeã niĩto niĩ ũkũsama. Neẽ heõbükü mehta, wuâke bübü mehta. Wame dahreta masiotigü buâkü niĩkami. Tehroma ahtere duhti pũrĩsere bahsañatama, ahtiturikũ niĩmi niĩ wãmedaro niĩmisa. Arã pehkãsapea nãã üâro wãmedarekãma.

Líquido para o bahsese
Eu aprendi fazer bahsese com meu pai Diakaru, que morreu bem velhinho no ano passado. Os “brancos” nos colocam muito medo com seus discursos sobre certas doenças, o que acaba dificultando a prática dos “benzimentos”. Mas eu fiz e me curei. Para este tipo de bahsese, invocamos as folhas de sabor travoso, cipó de sabor travoso, frutas travosas, frutas travosas da mata virgem e do igapó. Com o líquido travoso dessas plantas fazemos nossa proteção e nossa cura, soprando no líquido os bahsese, e chamamos pelo nome o vírus para matá-lo. Esse líquido apaga a chama do fogo na pessoa, devolve a boa respiração. Busca a nova respiração em outros domínios do cosmos. Assim eu pensei e realizei.

O meu pai me dizia que eu deveria preparar o líquido para o “benzimento” e pensar como se pode curar uma doença. Pensando nisso eu fiz o “benzimento” em mim mesmo. Esse vírus é, de fato, muito resistente. Não é uma gripezinha nem um resfriadinho. Com o “benzimento” bem sucedido se pode visualizar, na nossa visão, o tipo de “ser” que ele é.

Wehtidare komũtase – Dirioâ Wẽkü

Üsã wirã porã, itiâ turikãkãro keowü wíí duhti kumũta wehtidaro, Ahte merã duhti komũtasama. Ahte ohpe merã bahero, mürõ merã bahsero, bahseriko merã bahsero. Ahte niĩsato mahkũ. Küũ niĩkã tüôküwũ. Wãkũnũrũ wehsetigüma, dehoro niĨbosarito niĩ wãkũwũ. Ahto buâkati, arã Diroâ ahâ pahküre naã werãti nãa nií kohtekaro. Küũ duhti mahsũ ahti pahti kũmeta buâpĩ niĩse wahakati, tehgü ahtiro bahse komũtasetiro ümiãsa niĩ wãkũwũ. Arĩ duhti mahsu, komũtarã, ahte ũkũse merã ahti wẽkü hẽõnũkõ, ahti muĩpũ mũâtirisopepe düteñekũ, küũ sãrĩ sohpepe tüãñenükõ düteñekũ, õmẽ sãrĩ sohpepa düteñekũ, õmẽ wiari sohpepa düteñekũ wero üâsa küũ ,ñami omedakü niĨsami, nũkũ mahsu, diâ mahsu. suri wẽrĩkã. Yüü tüôñakaro horiwe, ahtiro bükürã merã tuâno ũkũse nũmũrĩ niĩrõwe niĨgü ahte ũkũsere miĩtiapü.

A PROTEÇÃO
Nós, descendentes do povo Desano, temos três tipos de proteção. Para a proteção de doença utilizamos o breu, cigarro e líquido. Foi o meu pai que me ensinou isso. Para quem nunca ouviu falar deve ser difícil. Eu me lembrei da narrativa mítica dos Diroá que queriam matar os Gaviões grandes. Eu a utilizei para “matar o vírus”. Utilizei essa fórmula de proteção. Para matá-lo eu o cerquei com os poderes da palavra, estiquei o puçá na porta do sol nascente, do poente, nas portas das alturas, nas nuvens, pois eu imaginei que o vírus pudesse atacar pelos ares e pela terra. Vindo em minha direção ele poderia ficar preso no puçá, enredado aí até morrer.

Gahpi Mahsu Suhtiro

Ahte kahpi, buâke niĩsata, naã tüoñarĩ mahsa, ahpe pahtipe dohkesãnũkã, niãrõ tüôña, küũ niãse tüñarĩ wahtero ũkũse, basese, bahsamõri, küĩ mĩñenu heâro Gahpi mahsu, ahpinõ mahsü niĩsami kũkẽrãta, Niãrĩ mahsu, düpoâ wehtüari mahsu, üsesori mahsu, tunũrürĩ mahsu. Añuro tüñakama duhti mahsü, peâri mahsu niĩgü wehsami. Tehgü gahpituri kãse kerã basese niĩbosato, ahte ümũko pũrĩse, ümũko peâse, yukü mahsa turikãse doâtise, waí yâ turkãse ahte duhti wahro ümũko mahsã peose wahsa niĩwĩ.
Ahte niĩsato makü tüômasiãpa, Ahte duhtikãsere ũkũdinañogü yüü pahko ahtiro niĩ peowĩ.

CAAPI FORTE
Os especialistas viajam, flanam e flutuam, através do Caapi, nesse mundo e no cosmos como um todo. Sob o efeito do Caapi fazem discursos, conversas sobre os bahsese e executam os cantos e danças. O Ser Caapi é o Ser da embriaguez, da tontura, do vômito. Visto dessa maneira, ele é o Ser da doença e da infecção. Eu pensei, também, que o Caapi carrega a força do bem, para curar as doenças do mundo, doenças provocadas pelos seres das florestas, doenças provocadas pelos peixes, doenças provocadas pelos seres do cosmo. Eu lembrei daquilo que o meu pai me ensinou…

Sobre o autor
Jaime Diakara Desana

Jaime Diakara Desana

Possui graduação em Pedagogia Intercultural Indígena pela Universidade do Estado do Amazonas (2014). Atualmente é representante – Três Povos Indígenas do Igarapé Cucura, escritor de literatura...

Ainda não há comentários. Deixe um comentário!

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.